Excesso de suor incomoda muito, mas pode ser controlado

A Hiperidrose – liberação excessiva de suor pelas glândulas sudoríparas – é um problema que acomete muitas pessoas, independentemente de sexo ou idade. Trata-se de uma queixa bastante comum nos consultórios. Em muitos casos, a hiperidrose aparece já na pré-puberdade e se agrava na fase adulta. Além do desconforto que causa, a sudorese excessiva acaba gerando um constrangimento social, principalmente em ambientes profissionais.

As áreas mais afetadas costumam ser axilas, mãos e pés. Se engana quem pensa que o problema só ataca no verão. Mesmo no inverno, os pacientes sofrem com o excesso de suor. Muitas vezes até mais, pois não têm a desculpa do calor. E o pior é que, na maioria das vezes, a hiperidrose gera odor desagradável.

Entre as causas, destacam-se estresse emocional e distúrbios termoreguladores. A hiperidrose ocorre quando, por algum desses motivos, o sistema nervoso central manda uma mensagem de estímulo às glândulas sudoríparas, que passam a liberar suor em grande quantidade.

O tratamento mais recomendado é a aplicação de injeções locais de Toxina Botulínica Tipo A. A aplicação é indolor – nas regiões plantar e palmar, é necessária anestesia local – e feita após mapearmos, através de testes feitos em consultório, as regiões onde há maior concentração de glândulas sudoríparas.

As aplicações devem ser feitas a cada seis meses. É um método não invasivo e supereficaz, que não cura o problema, mas controla seus efeitos desagradáveis.

Voltar