Hiperidrose: diagnóstico e tratamento

hiperdrose02

A liberação excessiva de suor, ou hiperidrose, é um problema que incomoda muitos pacientes. De acordo com a Dra. Katleen Conceição, do TheSkin Leblon, esta liberação excessiva é estimulada pelo sistema nervoso central. Entretanto, não se sabe ainda a razão pela qual esta atividade nervosa estimula constantemente as glândulas sudoríparas, aquelas que são responsáveis pela produção do suor.

Em alguns casos, o suor pode ser liberado com maior frequência, muitas vezes incomodando o paciente e o impedindo de manter suas atividades normais. A médica explica que a hiperidrose pode ser causada por estresse emocional (situações íntimas os públicas) ou estresse físico (exercícios, aumento da temperatura corporal ou em resposta à temperatura ambiental).

Mas hoje, já existem métodos eficazes para tratar a hiperidrose. Segundo a Dra. Katleen, primeiro deve ser feito um teste de iodo, que identifica com precisão a área afetada pelo problema. O teste é simples, indolor e realizado com iodo e amido de milho. A área a ser testada é limpa e seca. Aplica-se, então, uma solução alcoólica de iodo a 3,5% e, quando a região já está seca novamente, polvilha-se amido sobre ela. Nos pontos de sudoração, o amido reagirá com o iodo e aparecerá um precipitado de cor púrpura, indicando exatamente a área afetada pela hiperidrose.

Aí então, inicia-se o tratamento com Toxina Botulínica, que atua impedindo a liberação da acetilcolina e inibindo, assim, a liberação do suor. A aplicação nos pontos demarcados é feita pelo dermatologista através de injeções intradérmicas e dura cerca de 30 minutos. Logo depois, o paciente fica liberado para retomar suas atividades normais. Deve-se só evitar a prática de exercícios físicos nas quatro horas seguintes à realização do procedimento em consultório.

Dra. Katleen acrescenta que nas axilas, a aplicação é simples, rápida e, na maioria das vezes, indolor. Contudo, nas mãos e pés, ela exige o bloqueio anestésico local. Como resultado, observa-se em geral um período de seis a nove meses sem o paciente apresentar transpiração ou sudorese excessiva nas áreas tratadas. Algumas pessoas permanecem assim por períodos mais longos, chegando até a um ano após a aplicação.

Se você sofre de hiperidrose, consulte o seu dermatologista e descubra o melhor tratamento para você!

Voltar